IORM – Parte I

Recentemente comentei com alguns amigos que escreveria aqui com mais frequência, escreveria sobre assuntos relacionados ao Exadata e afins. Bom, como podem ver, não deu muito certo. Assumo a culpa, foi um mês corrido, problemas para resolver, bugs, o de sempre da vida de um DBA.

Hoje vou começar uma série de posts sobre o que eu acredito ser uma das funcionalidades mais interessantes do Exadata, o I/O Resource Manager (IORM). Resumindo, para quem não sabe, com o IORM é possível priorizar e categorizar o I/O no Exadata. Como o nome já sugere, é um resource manager.

Mas antes de explicar sobre ele, vamos voltar um pouco. Quando você pensa em Exadata uma palavra que vem sempre a mente é consolidação. Consolidar bases de dados em um único local para aproveitar o máximo de recursos. Essa é uma das vantagens, mas vamos encarar os detalhes.

Em um ambiente de banco de dados normal você tem os servidores de bancos de dados (cuidando basicamente do processamento) e o storage, separados. Se você tiver vários bancos, você faz o que? Separa a carga, correto? E com o storage você faz o que, separa os bancos em Raid Groups diferentes? Luns diferentes para cada base?

Você deve estar se perguntando o que isso tem haver com o Exadata, simples. Lembra da palavrinha consolidação de alguns parágrafos acima? No Exadata além de ter servidores para banco de dados (os database servers), você tem o “storage” (os storage servers). Resumindo, estes últimos entregam o “espaço” para o ASM que estão nos database servers. O conceito de luns como em um storage comum desaparece. Falarei com detalhes isso em outro post.

Com a consolidação, você acaba “puxando” todas as bases para um único local tanto em servidores de banco quanto em storage. Você tem que começar a definir as prioridades sobre as bases de dados evitando assim concorrências entre elas. Como no Exadata você não pode trabalhar da mesma forma como um storage normal (acho que nem seja esse o intuito), você utiliza o IORM para administrar o I/O do seu Exadata. Definindo prioridades e catagorias para o I/O das bases que estão no Exadata.

Bem, o IORM é mais do que isso, a granularidade sobre o I/O é bem maior. Como falei acima, esse é o primeiro post de muitos. Na internet você encontra bastantes detalhes sobre o IORM e o Exadata. Se você tem acesso ao Metalink (sim, sou old school) verifique a nota 1187674.1, lá você encontrará um white paper sobre o Storage Server do Exadata, vale a leitura.

One Response to IORM – Parte I

  1. Pingback: [Exadata] Gerenciamento de Recursos | Certificação BD

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *